terça-feira, 8 de julho de 2008

Garota de segunda em viagem de primeira - Parte I


Sempre fui fã de rituais – seja dos meus, seja dos outros. Quando vejo uma pessoa expert em vinhos fazer um pedido ao garçom, por exemplo, sinto dificuldade em esconder meu encantamento com cada detalhe, com cada etapa envolvida no processo: a apreciação do rótulo, o suave balançar da taça, o ato de cheirar a bebida, o primeiro gole e o gran finale, ou seja, aquele barulhinho do líquido na boca (deselegante, mas encantador), “shliiiii”. A verdade, porém, é que apesar de achar tudo muito lindo, nunca entendi nada sobre o assunto. Eis que semana passada as coisas mudaram, pois eu estava não somente rodeada de power-experts sobre a bebida de Baco, como também de vinhedos, vinhedos e mais vinhedos, sob o sol da Toscana, no coração da Itália (já teve a sensação de estar dentro de um quadro? Não? Então vá pra lá!). Bem, eu poderia escrever um livro, só com esses sete dias, mas vou direto ao ponto: o mundo profissional dos vinhos definitivamente não comporta uma garota de segunda. Sério. A não ser que a cidadã consiga fingir que é uma chiquérrima de primeira (confesso que tentei, até porque tenho mesmo uma coisa meio blasé, mas nem sempre foi possível esconder alguns rompantes de jacuzice). Explico: fiquei hospedada na casa de um dos editores da revista Wine Spectator, bíblia dos sommeliers, e participei de várias degustações da bebida, só com gente entendida, entendida mesmo. No entanto, ao contrário de todas as outras pessoas, me recusava a cuspir o líquido depois de cumprir todos os passos do ritual (aliás, nem sabia que isso existia). Reflita comigo: você está provando alguns dos melhores vinhos do mundo, ouvindo histórias e comentários pra lá de interessantes, rodeada de gente de primeira, durante uma viagem pela Europa; por que raios pensaria em cuspir a bebida, me diz? Fora isso, era como se eu visse as pessoas cuspindo dinheiro, pois todos os vinhos eram certamente CARÍSSIMOS, logo tinha todos os motivos para proceder com os goles. E foi o que fiz. É óbvio que entendo que o jornalista-especialista não beba durante o expediente, visto que chega a degustar 40 vinhos em um único dia (como aconteceu no domingo passado), mas no meu caso é diferente, certo? Até porque não tenho problema nenhum em assumir minha veia segundística... Mas enfim, como percebi após a primeira noite que a brincadeira comprometia não só o meu inglês (língua oficial numa mesa de americanos, italianos, alemães e uma brasileira que não desiste nunca) como também minha própria língua materna, nas noites seguintes continuei dando procedência aos goles, porém amparada por dois comprimidinhos de Engov – um antes, um depois, para prevenir contra pileques no primeiro mundo. Visionária, trouxe várias cartelinhas na minha super-mini-farmácia-anti-estraga-prazeres-durante-as-férias-felicidade. Sou ou não sou uma esperta de primeira?

Ps. Tenho muito, muito a dizer – sobre a viagem, sobre os comentários do VT no Saia Justa, etc e tal. Prometo que farei isso aos poucos, mas já faço questão de agradecer MUITO a todos que elogiaram minha casa, meu jeito e meus malabarismos para viver de uma maneira simples, porém especial. Beijos saudosos (um especial para minha amiga Rosita, tão querida)...

10 comentários:

dri disse...

nossa, aprecio os degustadores (de vinho em especial), quem me dera saber uma diferença que ao ver deles é sútil mas significante.
passo por aqui sempre, e consequentemente leio os textos, fez uma ótima viagem pelo visto né?!

beijos. admiro garotas de segunda.
passa no meu depois.
www.jaqueromuito.blogspot.com

rosane queiroz disse...

Paloma!

que porre de primeira, hein?
que bom que voce mandou noticias


em compensação, sei que trará muitos posts na bagagem
prepare-se, agora voce é uma celebridade...

beijos, com carinho

danisiinha disse...

vc está uma segundística de primeira hein!!!
nossa vinhoooo , sou louca !
e toscana... hummm
era tudo que eu queria ( inveja limpa hein...pq essa historia de inveja branca é preconceituosa demais pra mim)
mas eu chego lá ... bjsssssss a aproveitaaa

ALOBONDER disse...

Uau,que frisson!
Sommeliers,enólogos..,uma garota de segunda.Mas desculpe minha farta ignorancia:
A Toscana é lá ou aí?

Silvia/Campinas disse...

Ai que inveja boaaa!!! Sou amante do vinho, e confesso que também sei
pouco sobre o assunto, o que sei aprendi com meu marido que entende um pouco mais. Espero um dia poder sentar pra tomar um bom vinho com vc e ouvir tudo que aprendeu sobre essa bebida dos Deuses! Agora se me da licença vou tomar uma boa taça de vinho antes de dormir pois sua matéria me dispertou o desejo...

patricia.casan@gmai.com disse...

own q fofurisse, Palomitcha!! adorei! e eu sabia q eles cuspiam.. mas.. eu nao bebo! haahha
bjus, PAt

Milene disse...

Loooopes
que beleza. Isso mesmo! Não pode jogar a golada fora. beijos amore

William Maia disse...

Oi chefinha.. Que bom que vai tão bem a viagem. Muito legal o blog de vocês!

Quanto a não tragar os vinhos durante a degustação, se quiser seguir carreira aqui no Brasil, terá que aprender a fazê-lo..rsrs..

Nossa lei seca, sequíssima, esturricada, não dá trégua nem aos eno-especialistas.

BjOs!

Camila disse...

Hmmm quer dizer que minha amiga está se esbaldando na Europa! Chiquérrimoooo!
E nem sabia do programa.
Mas vc bem sabe que eu AMO a sua casa.. tudo nela é tão perfeitinho... amo amo amo
Agora na volta quero aulas de vinho viu amiga! Adoro! Mas como vc dou sempre umas mancadas nesses momentos... o básico é na hora de "balançar" a taça - deixar cair vinho por todos os lados! hihihi.. básico de uma autêntica desastrada.
Saudades de vc querida
aproveite tudoooo
beijos e cheiros

Zé Renato disse...

Olha, não sei se eh pq não entendo de vinho tb (completo ignorante) mas papo de enólogo amador em mesa não destinada ao assunto eh muito chato (amenizando os termos)... Não pelo assunto em si... Mas não sento numa mesa p falar do assunto q domino parcialmente se naum sou questionado a respeito... Me parece q existe uma correlaçao feita na midia entre bons degustadores e homens de sucesso e as pessoas acham q falar de vinho em lugar improprio e sem serem perguntados eh marketing pessoal! Soh pode!
Enologicamente, nao sou do time q bebe vinho equilibradamente (ou seja, uma taça em cada mão) e assumo minha ignorancia no assunto!
Mas quero recomendar um q bebi e tenho certeza q a dona do blog conhece ele! Me parece q ele tem um "que" de pimenta na sua formula magica... very good! Soh que naum lembro o nome e a vendedora (q se acha enologa) quase me assassina qdo perguntei a ela se ela poderia me lembrar o nome do vinho...!
por favor, quem souber do nome desse vinho, posta aqui! vlw