quinta-feira, 18 de junho de 2009

Videntes do truque


Uma vela de quatro quilos incomoda muita gente. Duas velas de quatro quilos incomodam-incomodam muito mais. Lembro dessa musiquinha infame dentro do metrô, enquanto carrego as tais velas, embaladas em papel rosa-pardo. Pesadas como bebês (gêmeos!), elas ainda medem meio metro cada e atraem olhares curiosos dos passageiros. Sigo para a Vila Madalena. De volta, enfim, para o meu planeta. Depois de uma peregrinação pelo Largo São Bento, no centrão de São Paulo. Depois de dez andares em um prédio caindo aos pedaços, em busca de um conselho da "Astro-vidente Priscila*”, uma das tantas que prometem "amarrar" casais. Com "100% de garantia" ou "Pagamento Após o Resultado".
Priscila não cobra consulta. "Meu lema é caridade", diz ela, nos classificados de uma revista semanal. Quando ligo para marcar hora, a moça da "Central de Atendimento" me pede que leve um alimento não-perecível. Saco um óleo Liza de girassol da despensa e lá vou. Volto, duas consultas depois, com as velas gigantes (a R$ 50 cada) e uma tarefa: "Tome um banho de sabonete azul." Achei bonitinha essa parte. Já viu quantos sabonetes azuis existem na prateleira do supermercado? Eu nunca tinha reparado. Gostei do tom do Phebo. Turquesa.
Exausta, de repente me dou conta: Meu Deus, e se isso tudo fosse verdade? Se eu fosse mesmo Rosana, uma mulher desesperada para salvar seu casamento em crise? Rosana, a personagem que criei para visitar as videntes, é uma publicitária que desconfia que seu marido tem outra. Ela está disposta a tudo para "amarrar" seu amor. E as videntes não poupam esforços nem verbo.
Joana*, a mais dramática delas, joga os búzios e me diz: “Uma mulher enterrou o nome do seu marido debaixo da terra, num cemitério, para ele ficar frio com você como um defunto”. Medo! Nas cartas ou nos Búzios, o diagnóstico é sempre o mesmo: sim, ele tem outra. Uma mulher teria feito um "trabalho espiritual" contra mim (vulgo, macumba). E se eu não agir rápido, se não cortar o tal trabalho, ele vai me deixar!

Quer saber como acaba essa história? Leia aqui, na revista TPM desse mês. Na minha primeira e feliz colaboração para a revista (que também é de primeira!), eu conto a saga na reportagem "Armação dos Búzios". Fui em cinco videntes, dessas que colocam anúncios em classsificados e faixas na rua prometendo o impossível: amarrar um homem "com 100% de garantia"! O texto acima foi um dos começos que imaginei para a matéria, que à medida em que fui escrevendo foi se transformando, até ficar como está. Mas o rascunho ficou, e aproveito aqui para fazer meu "comercial".
Putz, para quem estava quietinha, falei demais!
E, você, já consultou uma vidente? Ela era de verdade ou do truque?

10 comentários:

Dani Halliday disse...

Rô, vou confessar: eu já fui RATA desses lugares. Onde dissessem que a bicha era das boas no búzios, tarot e por aí vai, lá estava eu. Pagando o que fosse pra saber do meu futuro, pra trazer de volta um aí que amei... Aff! Ainda bem que tudo isso passou, viu?
..
Adorei o texto e quando comecei a ler pensei, meu Deus, será que as meninas vão a cartomantes? Ui!

Bjuu

vida cotidiana disse...

Nunca fui, acho sempre que vão falar coisas que não quero ouvir. Na verdade acho que tenho, medo rsrsrs. Bjs

Silvana Tavano disse...

Ro, querida,

a matéria ficou uma delícia -- bela estreia!

beijo,
silvana

sonia correa disse...

Sabe RO, não acredito nelas, todas são farinha do mesmo saco.
Acho que vidente, cartomante, etc...são pessoas que no minimo deveriam estar muito bem na vida, carroes,mansoes,iates,maridos milionários, conta bancaria sempre no AZUL e férias no exterior. Pq. se elas adivinham a vida dos outros .... não adivinahm a sua propria vida?????????? CUIDADO MULHERES NÃO GASTEM SEU DIM DIM COM BOBAGENS....se estão desconfiadas com os namoridos, acho bom trocar de partido.

Lúcia Soares disse...

Mais do que curiosidade, tenho medo. Então, não vou.
E não acredito.

Anônimo disse...

ah claro q ja fui, mas sempre com pé atras...tb ja encontrei algumas dignas de circo, algumas ate serias, outras bem pouco confiaveis...enfim, tem pra todo gosto...
andréa

Telma Maciel disse...

Claro que já fui... eu sou meio esotérica tbm, rs. Tirava cartas de tarô e sempre dava certo, mas não tirava pra mim, pq eu sempre podia manipular as respostas...
Mas sabe pq eu não confio nessas que cobram pra te falar seu futuro, presente ou passado? As histórias são sempre as msms: tem um homem assim assado, uma mulher fez macumba pra vc, vejo uma criança no seu futuro... SEMPRE assustam a genta pra q vc volte lá e gaste ainda mais o seu dindin, pra 'se protejer'... Mas quem faz o futuro somos nós. Independente do que elas falem, nós podemos mudar, se quisermos.
Bjus p vcs!

Telma Maciel disse...

PS: a matéria ficou ótima!!! Ri mto! rs

Anônimo disse...

Jo no creio en las brujas,pero que las hay hay...

Antonio Brás Constante disse...

Olá jovem de toda e qualquer idade,

Apesar de ser um escritor 100% desconhecido por você (e talvez este ar de mistério aguce a sua curiosidade), se me conceder os próximos 5 minutos de seu tempo como leitor, isto poderá mudar de uma forma gratificante para nós dois.

Pelo que percebi, você gosta de postar textos interessantes em seu blog, sendo assim, somente peço que conheça as minhas pérolas textuais, e caso goste, divulgue-as em seu Blog.

Gosto de me apresentar como uma espécie de genérico do escritor Luis Fernando Veríssimo (também sou fã do Veríssimo), ou seja, autor diferente, mas com o mesmo princípio ativo: O HUMOR. Os textos são temperados com generosas pitadas humorísticas, para jovens dos oito aos oitenta anos e também de outras faixas etárias, que poderão ser saboreados até a última letra. Caso queira conhecer um pouco mais sobre meu trabalho como escritor basta acessar o site: Recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

Resolvi viajar pelos perfis deste imenso universo virtual chamado de BLOG, divulgando minha obra e conhecendo novas pessoas (virtualmente falando). Espero sua visita em meu perfil. Contatos pelo e-mail: abrasc@terra.com.br . Um grande abraço, tão grande quanto à distância entre nossos braços. ABC

P.S: Se eu já passei por aqui e deixei este recado me desculpe, mas foi pq acabei andando em círculos...