sexta-feira, 18 de abril de 2008

Quem dança e canta, seus males espanta


Parece sina: todas as vezes em que temos um feriado prolongado pela frente, a semana que antecede os merecidos dias de descanso ganha ares de caos absoluto. Em outras palavras, se normalmente você trabalha “x”, certamente na semana pré-pausa você trabalhará “4x”. Lei de Murphy, basicamente. Pra deixar todo mundo bem cansado, bem esgotado ou, em bom português, bem podre mesmo. Porém, para a possível decepção dos chefes e demais manda-chuvas, nós, proletariados/peões, temos táticas infalíveis para “desestressar”, recarregar as baterias e curtir ao máximo nossos dias de ócio criativo – sobretudo quando envolvem uma segunda-feira. As minhas são basicamente duas: dançar e cantar. A primeira você pode fazer em casa mesmo, sozinho. Basta ligar o som, escolher um cd pra lá de animado e botar pra quebrar (dica da autora: experimente fazer isso enquanto presenteia seu espaço com uma faxina geral, afinal depois de uma semana de ralação, você certamente não teve tempo de sequer lavar a louça). A outra você pode fazer no chuveiro, para deleite dos vizinhos – ou, melhor ainda, indo a um karaokê. O bairro da Liberdade, em São Paulo, por exemplo, possui casas interessantes, onde você pode soltar seu lado Bill Murray (vide o maravilhoso e insuperável filme Lost in Translation – ou "Encontros e Desencontros", se preferir). Porque o microfone nas mãos faz toda a diferença, mesmo que o cantor seja bem de segunda (como eu). E você, o que faz para esquecer uma semana de quinta e se preparar para um feriado de primeira?

2 comentários:

Renata Negri disse...

"É bom cantar quando na vida o que ficou pra trás já não importa mais".

Rebeca Matta.

(não canso de citar. rs. é a minha cantora preferida!)

caucasiano disse...

Se fosse com o mesmo felling da música da cena da despedida da trilha sonora do citado filme, não sei se os males se espantariam mas causaria um enorme bem.