segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Sobre fuscas e vinhos


Adoro fusquinhas, e não é de hoje que cultivo o sonho de adquirir um na cor vinho. Lindo, estiloso, charmoso... Tudo de bom! A questão é que, apesar de ser considerado um carro de segunda por muita gente, o danado vale ouro (isto é, se o comprador quiser ser dono de um automóvel não só bonito, mas também eficiente). Um dos comentários mais engraçados depois da entrevista que dei ao Saia Justa foi justamente o de uma moça que disse ter o carrinho dos meus sonhos. Quase escrevi pra ela, mas a questão é que apesar de achar cada vez mais indispensável ter um automóvel que me leve aqui, ali e acolá, levei um choque depois de retornar de minha viagem de primeira com essa lei seca ultra-mega-power-blaster radical. Porque eu adoro fusquinhas de cor vinho, sim, mas também adoro vinhos. E cervejas. E apesar de entender a importância da nova lei, confesso que ainda não consegui sacar qual será a nova dinâmica da vida social. Táxi é caro, né gente? Então me digam, o que vocês estão fazendo? Pararam de beber, de sair de casa ou de dirigir? Os últimos eventos que freqüentei (festinhas na casa de amigos, bares, etc. e tal), foram meio esquisitos. Uns bebem, uns não bebem; uns defendem, outros protestam com copo na mão. E todo mundo fica meio inseguro na hora de ir embora. Enfim, no último fim-de-semana me peguei meio confusa, meio perdida e sem opinião formada. Será que alguém pode me ajudar?

6 comentários:

Cruela disse...

bem, eu continuo bebendo e cortando caminho por dentro dos bairros... ou seja, agora sou uma bêbada perdida. \Era muito melhor o tempo em que eu era apenas uma bêbada que sabia onde morava e tinha o tanque sempre cheio.

ps. nenhum policial tem coragem de parar um fusquinha cor vinho, se ele tiver as rodas com banda brancas e volante de madeira naval então... aff.

Érica disse...

então, acho um saco, porque muita gente simplesmente NÃO SAI MAIS!!! como é possível???
Eu continuo, como a amiga aí em cima, cortando por dentro e preferindo os lugares próximos, "pra evitar a fadiga"...
Mas aí é que tá, mesmo que a baladinha seja na casa de amigos, quantos colchões eles terão que ter pra abrigar todos os bêbados?
Já que é pra ser radical, então que baixem os preços das corridas dos táxis, porque simplesmente NÃO DÁ!
ps: colocaram uma linha de ônibus que funciona de madrugada na Vila Madalena... Mas... Fala sério, né? Quem consegue ir embora de busão depois da balada, bela e fina de salto alto?
Tô rebelde!
(By the Way: prazer, Érica, sou fã!)

Carolina disse...

Tem coisas que somente com choque e não choque no trânsito. Choque na cabeça e no nosso país,muitas vezes, só surte efeito na porrada pra funcionar, se vai persistir não sei, mas com a violência no trânsito do jeito que está só com medidas drásticas. Agora se a lei vai persistir aí já é outra história. Mesmo assim toda mudança é por si só revolucionário e requer tempo para negação, aceitação e adaptação e geralmente nas adversidades que temos alternativas criativas.Tá ruim sim, porque tem toda uma dinâmica pra gente sair e a questão beber ou não beber, mas tô pagando pra ver nesta solução. Tô apostando a favor!
bjos

danisiinha disse...

bem paloma eu e minhas amigas temos feito rodizio , cada fim de semana uma fica seca rsrsr e quando todo mundo quer beber , é o taxi que nos salva , aí vale a dica de fazer amizade com um determinado taxista e assim ele pode fazer como o nosso , já que somos fiéis a ele , ele não cobra taximetro , faz um precinho super camarada pra gente! bjkssssssssss

Paloma Lopes disse...

ai cruela, pior que não posso usar de seu método caso compre um fusquinha vinho, pois sou uma motorista de segunda mesmo sóbria, que está sempre se perdendo pelos caminhos de são paulo (imagine com algumas biritas na cabeça)!

érica, você está coberta de razão, se é para serem radicais, que baixem os preços dos táxis! (mesmo sendo uma alternativa meio de segunda para bebedores de primeira, adorei a dica do corujão na vila madalena. se ele passar perto de casa então, tá feito! preciso descobrir)...

carolina, eu entendo sua posição e confesso que também estou tentando ver a coisa por este lado. nem sempre dá, pois o clima está realmente meio tenso, mas tenho fé de que nós, apreciadoras de uma boa taça de vinho ou um maravilhoso copo de cerveja, vamos encontrar uma saída!

danisiinha, você não quer me passar o fone desse taxista não? porque sou amiga de vários que circulam pelo meu bairro, mas nenhum é camarada desse jeito comigo não... que motorista mais de primeira, hein?

meninas, muitos beijos, vocês deixam o garotas mais florido!

danisiinha disse...

super de primeira paloma....é nosso james ! rsrsrs , estamos com ele tambem desde a adolescencia , acho que a primeira vez que solicitei os serviços dele eu tinha uns 16 , hoje tenho 27.... ja somos amigos ... deve ser por isso essa camaradagem! bjsssssss